Topo

FMO inicia residência em clínica médica

Professor Joelmir Lucena, coordenador de avaliação; professora Cristina Meneses, coordenadora de ambulatório; professora Karla Queiroz, coordenadora pedagógica; Leandro Mangueira, residente; Josué Almeida, residente; Dra. Patrícia Travassos, coordenadora da Residência de Clínica Médica; professora Schirley Cristina, coordenadora do IASC; Dra. Ricarda Samara, coordenadora de residência médica e Dra. Tereza Miranda, diretora acadêmica.

Dentro do seu projeto de expansão, a Faculdade de Medicina de Olinda deu início ao seu programa de residência médica. De acordo com a professora Patrícia Travassos, coordenadora da residência em clínica médica da faculdade, a residência da FMO acontece por meio de uma parceria com Hospital Tricentenário. “A maior parte das atividades vai acontecer lá: enfermaria e ambulatório”, detalha.

Ela acrescenta que os alunos também vão passar por outros hospitais do Estado (públicos e privados) para algumas áreas específicas. “No R1 (primeiro ano da residência), vai haver rodízios externo em pneumologia e em UTI, atenção básica à saúde, urgência e emergência. No R2 (segundo ano), nefrologia e cardiologia”, exemplifica.

Para isso, há convênios firmados com o Hospital Português (estágio de um mês em nefrologia), Hospital Esperança (estágio de um mês, fazendo o rodízio de UTI), Hospital Miguel Arraes (tomografia para pacientes oriundos do Tricentenário), Hospital Agamenon Magalhães (plantões de emergência), além do treinamento em imagenologia no Centro de Diagnóstico Boris Berenstein. “Neste caso, os residentes vão acompanhar a realização de exames, elaboração de laudos e análise de imagens”, explica a professora.

A residência é um programa de pós-graduação para médicos que queiram se especializar uma alguma área específica da medicina. Durante o curso, o residente é considerado um profissional em treinamento e todas as atividades que executa ficam sob supervisão de um médico mais experiente, especialista na área escolhida.

A pós tem duração de dois anos. “Nosso objetivo é ser uma residência de alta qualidade, entregar profissionais bem qualificados”, diz a coordenadora e acrescenta que no próximo processo seletivo, previsto para o final deste ano, o número de vagas deverá saltar de duas para quatro.

Instituída pelo Decreto nº 80.281, de 5 de setembro de 1977, a residência médica é uma modalidade de ensino de pós-graduação destinada a médicos, sob a forma de curso de especialização. Funciona em instituições de saúde, sob a orientação de profissionais médicos de elevada qualificação ética e profissional, sendo considerada o “padrão ouro” da especialização médica. O mesmo decreto criou a Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM).

O Programa de Residência Médica, cumprido integralmente dentro de uma determinada especialidade, confere ao médico residente o título de especialista. A expressão “residência médica” só pode ser empregada para programas que sejam credenciados pela Comissão Nacional de Residência Médica.