Topo

CONEM reforça as boas práticas no ensino e no exercício da medicina

Entre os dias 26 e 28 de abril, a Faculdade de Medicina de Olinda – FMO abre suas portas para receber o sétimo Congresso Nordestino de Educação Médica – CONEM, idealizado pela Associação Brasileira de Educação Médica – ABEM. O evento é um dos principais do setor e reúne as melhores escolas de medicina do Nordeste.

Dra. Tereza Miranda, diretora acadêmica da FMO e presidente do CONEM, junto com Dr. Jorge Guedes, presidente de honra do CONEM, falam um pouco sobre a importância do Congresso para as instituições, para os estudantes e para a medicina de uma forma geral.

“O CONEM é um fórum de compartilhamento de experiências e consolidação de práticas da comunidade dos educadores e estudantes da Região Nordeste. E representa também a interlocução necessária para a capilaridade dos projetos da ABEM. E nesse momento, o CONEM é especialmente importante para as novas escolas médicas, que passam a compreender a importância da associatividade.”

E sobre a importância do evento para a FMO, ambos ressaltaram: “A FMO generosamente acolheu o CONEM 2019, isso a torna uma vitrine de práticas educacionais, agregando valor e validando as boas práticas que são conduzidas na Faculdade.”

Eles também salientaram a importância do Congresso para os estudantes e docentes da área. “O CONEM oferece aos docentes e estudantes a troca de vivências na busca de soluções para os problemas e melhorias do ensino da saúde. Um encontro como esse também possibilita conhecer novas pessoas, fortalecer parcerias regionais e a oportunidade de traçar uma pauta comum para a discussão das necessidades estudantis, fortalecendo a liderança estudantil nordestina no cenário nacional”.

Para finalizar, Dra. Tereza e Dr. Jorge falaram sobre como um Congresso desse porte é importante para a medicina. “Assim como existem as boas práticas clínicas, fundamentadas na medicina baseada e evidências, existem as boas práticas educacionais, fundamentadas na educação baseada em evidências. As políticas públicas de formação de médicos e profissionais de saúde nascem e se fortalecem nesses encontros. Isso é especialmente importante no Brasil, onde o SUS é o maior campo de exercício da medicina, para o qual devem convergir o sistema formador de recursos humanos para a saúde”, pontuaram.