Topo
Image Alt

Sem categoria

Agora é oficial: a Faculdade de Medicina de Olinda terá sua residência médica. O Ministério da Educação (MEC) aprovou, no final do ano passado, o programa de residência médica da FMO em medicina da família e comunidade. A decisão reforça e reconhece o trabalho que a faculdade já vem desenvolvendo nessa área. “Da nossa parte, já existe toda uma relação com a comunidade e cuidado com a saúde da família”, reforça Tereza Miranda, diretora acadêmica da FMO. “Temos convênios com sete municípios da Região Metropolitana do Recife, justamente onde o contato com esse público é mais intenso”, completa. Tereza Miranda adianta que, em breve, a FMO divulgará os detalhes sobre a residência em medicina da família e comunidade. A Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM), órgão ligado ao MEC, deu parecer favorável à residência da FMO no dia 20 de novembro de 2018, após análise de relatório entregue e visita realizada às dependências da faculdade. O documento é assinado pela dra. Rosana Leite de Melo, secretária-executiva da CNRM.      

Metodologia funciona como grande aliada do aprendizado teórico-prático na área de saúde.   Diante de uma geração conectada e com novas tecnologias à disposição da educação, o status da relação ensino aprendizagem, a formação e a qualificação dos profissionais de saúde ganhou novas possibilidades e ferramentas eficientes para garantir melhores resultados durante a graduação. E na Faculdade de Medicina de Olinda não poderia ser diferente. “Esse método aproxima o estudante e seu cotidiano profissional futuro, permitindo a participação direta na problematização de situações que induzam o aluno na busca imediata por soluções”, explica a Diretora Acadêmica da FMO, Dra Tereza Miranda. Sendo assim, essa metodologia permite ao aluno assumir um protagonismo do seu aprendizado, redirecionando, também, a função e as habilidades do professor. As técnicas partem do compartilhamento do conhecimento, através de cenários que serão encontrados na prática profissional, levando o estudante ao desenvolvimento amplo da cognição, do comportamento e do raciocínio mais crítico e participativo. “Isso possibilita que o professor chegue mais junto do aluno e ainda contribua no estímulo do poder de decisão deles, sendo mais firme e acertada”, lembra o Diretor do Curso da FMO, Leslie Clifford. O uso desse método ativo chegou com melhorias significativas na formação dos futuros profissionais

Foto: Wanner Bros Pictures. A pesquisa sobre a utilização da pele de tilápia no tratamento de queimaduras, idealizada pelo cirurgião plástico e nosso professor da FMO Marcelo Borges, foi destaque essa semana nos jornais britânicos The Times e Daily Mail. As reportagens destacam que o tratamento é barato e bem menos doloroso que os métodos tradicionais, beneficiando especialmente as crianças. Os jornalistas usaram o herói Acquaman para ilustrar a reportagem. Em entrevista à imprensa inglesa, o pesquisador da Universidade Federal do Ceará, Felipe Rocha, lembra que a ideia do tratamento partiu do professor Marcelo Borges, que “ao ler uma reportagem num jornal do Recife, sobre o uso da pele de tilápia na produção de bolsas, cintos e sapatos, pensou que se o material tinha força e sensibilidade necessárias para esses acessórios, por que não usá-lo para substituir a pele humana no tratamento de queimaduras?”, relatou. As reportagens completas (em inglês) podem ser acessadas em: The times Daily Mail

  A Faculdade de Medicina de Olinda (FMO) iniciou a sua primeira turma em 2015, mas para se tornar uma instituição, obedecendo aos requisitos exigidos pelo Ministério da Educação, foram quase quatro anos sendo projetada. Com um pouco menos de três anos de existência e sua primeira turma ainda em formação, a FMO foi classificada, no Ranking Universitário Folha 2018 (RUF) proposto pela Folha de São Paulo, como a segunda melhor instituição de ensino superior privada no curso de medicina no estado de Pernambuco. Uma faculdade que traz a inovação como base para a qualidade de ensino e formação profissional. A FMO dispõe de estrutura completa; corpo docente altamente qualificado, obtendo um grande currículo com experiências em diversas universidades públicas do país; equipamentos de alta tecnologia; além de convênios que garantem programas de estágio nos principais hospitais de Pernambuco, proporcionando aos futuros egressos o exercício da medicina alicerçado pela ética e competência.

O professor Silvio Paffer esteve em Dubai nos últimos dias para participar do Congresso Mundial de Cardiologia. Na ocasião foram discutidas as principais tendências na cardiologia, onde o nosso professor teve grande participação debatendo sobre a importância da avaliação da pressão arterial central, como uma nova tecnologia na avaliação da hipertensão arterial e de doenças cardiovasculares.

Para cada vez mais proporcionar aos nossos futuros médicos um ensino de qualidade, a Faculdade de Medicina de Olinda (FMO) possui, dentre os vários equipamentos tecnológicos, o Painel Multidisciplinar 3D. Desenvolvido pela empresa brasileira CSANMEK, ele tem como objetivo auxiliar as técnicas educacionais no uso da metodologia ativa. O Painel Multidisciplinar 3D tem capacidade dinâmica de pesquisa, controles 3D fáceis de usar, módulo de Fisiologia, possibilita procurar e localizar estruturas anatômicas pelo nome, modelos dinâmicos das estruturas musculares, permite mover o modelo em um espaço tridimensional, possui conexão com microscópio digital e projeção “touch”. A tecnologia a favor do conhecimento.

De nada adianta uma metodologia que transforma o aluno em ator se não houver uma estrutura que permita desenvolver sua capacidade. Para ajudar nessa missão, a FMO conta com tecnologia de ponta e equipamentos de última geração, que proporcionam ao estudante experiências práticas dentro e fora da sala de aula. A instituição conta com laboratórios morfofuncionais, que promovem a integração entre diversas disciplinas; laboratórios de práticas funcionais; e laboratórios de habilidades, que buscam despertar o lado mais humano do profissional. Há ambulatórios para prática de consulta, simuladores para realizar reanimação cardiorrespiratória, partos, entre outros procedimentos. A faculdade também tem clínica-escola, que faz cerca de 600 consultas por mês, e um laboratório de habilidades cirúrgicas. Leia a matéria completa.

O professor e pesquisador da FMO, Marcelo Borges, foi entrevistado pela jornalista Cinthya Leite, da TVJC do Portal NE10. Na conversa, ele explica  o método para tratar feridas e queimaduras com a pele de tilápia. Borges é o idealizador da pesquisa e professor da Faculdade de Medicina de Olinda (FMO).   Acompanhe a entrevista na nossa página no Facebook.  

A Faculdade de Medicina de Olinda (FMO) segue seu compromisso de capacitar profissionais do mais alto padrão. E nos dias 19 e 20 de outubro, promove o Congresso em Saúde da FMO Cidadania e Responsabilidade Social, os participantes vão ter acesso a stands, palestras, debates, oficinas e apresentação de trabalhos científicos dos especialistas renomados da medicina no Brasil. A abertura do congresso conta com a participação do professor e doutor Carlos Teixeira Brandt. O evento é direcionado a estudantes e profissionais de medicina, fisioterapia, farmácia, psicologia, educação física, biomedicina e ciências biológicas. Será marcado pela enriquecedora partilha de experiências e inovação.

Este mês o professor e coordenador de treinamentos em saúde da Faculdade de Medicina de Olinda (FMO), Marcelo Borges, participou do XI Congresso Brasileiro de Queimaduras. O evento aconteceu, de 9 a 12 de maio, em Foz do Iguaçu, no Paraná. Na ocasião o cirurgião falou apresentou sua pesquisa sobre o uso da tilápia como curativo para pacientes vítimas de queimaduras. A tilápia é primeira pele aquática utilizada nesse tipo de tratamento, proporciona menos locomoções para o hospital e diminui número de curativos, reduzindo dores, além de promover a diminuição no período de cicatrização.